Dom Casmurro - Machado de Assis

Agora há pouco finalizei "Dom Casmurro".

Não sei o que há nessas tragédias, de Shakespeare e do Bruxo, em que iniciamos a obra já sabendo que frustrar-nos-emos, e fazemo-lo a leitura inda assim; por amor às personagens, talvez.
A minha conclusão é a de que não há o que se concluir. A história fora contada por Casmurro, o dito traído. Por óbvio que ela será tendenciosa. Qualquer inferência que façamos há de estar contaminada.
Demais disso, o clássico tem outros núcleos que, malgrado não recebam tanta atenção quanto o casamento de Capitu, são, outrossim brilhantes; como os casos do protonotário, e a febre por superlativos de José Dias, o agregado.
O que me cativa em Machado é a sua maestria com a Língua Portuguesa. Cada parágrafo é uma novidade, pois quase impossível prever como será a estrutura do seguinte. Estes são o deleite de se ler Assis: os versos, as ironias, a sinceridade.
Para encerrarmos, deixo aqui o meu excerto favorito da obra (que assim o é em razão do icônico jogo de palavras, que provavelmente poeta algum seria capaz de reproduzir).
A cena se passa quando Bentinho e Capitu ainda são crianças, vivenciando os primeiros fôlegos do amor, num beco às escuras, escondidos dos pais:

"Voltei-me para ela; Capitu tinha os olhos no chão. Ergueu-os logo, devagar, e ficamos a olhar um para o outro... Confissão de crianças, tu valias bem duas ou três páginas, mas quero ser poupado. Em verdade, não falamos nada; o muro falou por nós. Não nos movemos, as mãos é que se estenderam pouco a pouco, todas quatro, pegando-se, apertando-se, fundindo-se. Não marquei a hora exata daquele gesto. Devia tê-la marcado; sinto a falta de uma nota escrita naquela mesma noite, e que eu poria aqui com os erros de ortografia que trouxesse, mas não traria nenhum, tal era a diferença entre o estudante e o adolescente. Conhecia as regras do escrever, sem suspeitar as do amar; tinha orgias de latim e era virgem de mulheres."

Joaquim Maria Machado de Assis (Rio de Janeiro, 21 de junho de 1839 – Rio de Janeiro, 29 de setembro de 1908) foi um escritor brasileiro. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário.
Joaquim Maria Machado de Assis (Rio de Janeiro, 21 de junho de 1839 – Rio de Janeiro, 29 de setembro de 1908) foi um escritor brasileiro. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário.
© 2016-2023 Lucas de Lazari Dranski. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Webnode Cookies
Crie seu site grátis! Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também! Comece agora